-->
-> PESQUISAS E ESTATÍSTICAS/Conceitos Estatísticos/Estudo de Coorte

De modo geral, ao conduzir um estudo de coorte, o interesse do pesquisador é verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são, então, classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão então observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que os resultados e conclusões obtidas sejam confiáveis.

Logo, o termo coorte é usado para descrever um grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar. Doenças com período de latência longa exigirão períodos longos de observação. Entenda-se por história natural da doença, sua evolução sem intervenção médica e, por período de latência, o tempo entre a exposição ao fator e as primeiras manifestações da doença. Outras denominações geralmente usadas para os estudos de coorte são, dentre elas:  

· estudos longitudinais: enfatizando que os indivíduos são acompanhados ao longo do tempo;

· estudos prospectivos: subentendendo a direção em que os indivíduos são acompanhados;

· estudos de incidência: chamando a atenção para a medida básica de novos eventos de doença no tempo de seguimento.   

Os estudos de coorte são menos propensos aos vícios que podem ocorrer nos estudos caso-controle e são os mais indicados para o estudo de riscos, quando a experimentação não é possível. As principais dificuldades para a realização de um estudo de coorte são: (a) é um estudo mais demorado e que envolve custos elevados pelos recursos necessários para acompanhar muitos indivíduos ao longo do tempo estabelecido; (b) não disponibiliza resultados em curto prazo; (c) os indivíduos sob estudo vivem livremente e não sob controle do pesquisador e (d) não é viável para doenças raras.

 

Análise de Dados Categóricos, Suely Ruiz Giolo